Lollapalooza 2017 – O meu final de semana preferido

Mais uma edição do festival mais querido de São Paulo. Meu quarto Lollapalooza e dessa vez completo. Completo porque até ano passado eu sempre fui só no sábado, e na penúltima edição eu voltei pra casa querendo mais. “Ano que vem eu vou os dois dias.” Independente do line-up. Eu fui.

Setembro de 2016 começaram as vendas e eu corri pra garantir meu lolla pass logo no primeiro lote, meu cartão de crédito tinha acabado de chegar, então ok. Tá caro mas a gente parcela e ta tudo bem. Não, porque na hora de passar eu esqueci a senha, “tá moça vai no débito depois eu me viro”. Fiquei bem pobre mas feliz (isso porque fui até o citibankhall pra evitar a taxa de conveniência). Dinheiro compra show e show me faz feliz. Eu tava felizona.

Divulgaram o line-up. CARAMBA STROKES, CARAMBA METALLICA, THE XX, CAGE THE ELEPHANT (que eu perdi da outra vez no lolla), THE 1975 – que eu quase comprei o ingresso pro show na Áudio. Pra mim tava ótimo, mas concordo que não era uma das melhores reuniões de bandas que o festival já teve ou poderia ter. Geral reclamou que estava fraca essa edição, mas pra mim, amante de música, tava de bom tamanho. Algumas bandas que eu já conhecia e queria ver, outras que iria ver de novo (Metallica) e outras que é a parte que eu acho daora em festival, conhecer. Sem contar a polêmica ~festival indie com bandas de rock~ GENTE É TUDO MÚSICA E MÚSICA UNE AS PESSOAS, TÁ? Ou deveria.

Eu amo o lolla, eu amo a vibe do lolla, eu moraria no lolla.

A EXPERIÊNCIA.

Finalmente chegou o meu final de semana preferido do mês de Março. Sábado eu fui sozinha, eu to acostumada a ir em shows sozinha e vou te contar que não foi ruim. Aproveitei pra pegar as filas enormes e demoradas pra garantir meus copos de brindes. Assisti vários shows incompletos, porque vocês sabem, a grade horária do festival sempre tem mais de uma banda boa no mesmo tempo. Andei muito, vasculhei tudo, curti o shows na intimidade com a música. E pentelhei minha amiga que tava trabalhando no festival. Encontrei a Ingrid do Female Rock Squad, minha amiga que também tem um site de shows. Fiz tudo o que eu queria naquele dia. E esqueci o protetor solar, fiquei com uma marca da blusinha horrorosa, e vermelha, e ardendo.

Domingo. Ah o Domingo foi louco. Apesar de não ser ruim curtir o festival sozinha tudo fica melhor com as suas pessoas preferidas junto. Domingo teve os amigos. Teve famosos. Encontrei o blogueiro/ex-colírio Capricho Federico Devito (pela segunda vez na vida – a primeira foi no star wars night run), o meu modelo preferido super gente boa Ale Pierozan, as youtubers Gabi Lopes, Rachel Apollonio e Maddu Magalhães. Mas dessas só tirei foto com a Lopes, uma fofa, e porque o Bruninho queria uma foto com ela eu sinceramente não conhecia he he. Teve o Bruninho correndo comigo na platéia do palco Skol em cima do ombro dele, eu achei que fosse morrer foi muito bom. 

Se parar pra pensar não teve nada de extraordinário, mas estávamos juntos, se curtindo. A gente tava feliz por estar lá. Por viver aquele momento simples, pulando ao som de músicas que a gente não sabia cantar, ou das que sabia, conversando, fazendo picnic, rindo. Na mesma vibe, conectados, em sintonia. Amigos que já eram amigos e com amigos de amigos que viraram amigos. LollapaloozaSquad. Foi maravilhoso esse dia.

 

OS SHOWS

 

Sobre os shows de Sábado: Doctor Pheabs achei uma ótima banda pra começo de festival, vocalista sensacional. Suricato não me chamou tanta atenção. Glass Animals gostei de assistir achei uma vibe gostosa, sentei ali no gramado e fiquei curtindo o som. Cage The Elephant foi sensacional, aaaaaah que entrega da banda para o público, maravilhoso. The 1975 achei tímido, gostei mais pelo spotify, mas sei que o show da Áudio no Lolla Partie foi ótimo, fiquei com vontade de ver de novo apesar dessa primeira impressão. Rancid ~rockeiros me julguem mas eu não conhecia o som~ e não me encantei, foi um show de rock e ponto. The XX foi lindo, foi encantador, de deixar os olhos brilhando. Metallica eu tava com saudade e claro foi sensacional. The Chainsmokers caaaara que louco esse show! Os efeitos luminosos que chegavam na galera, fritamos.

Domingo: Catfish and Botllemen, sentadinha só observando a galera surtada na cara do palco, eu curti eles são ótimos. Jimmy Eat World, aquela nostalgia dos tempos mais forte do emocore e o momento “awn” quando tocou “Hear You Me” trilha do filme “A nova cinderela”. Silversun Pickups fecharam com lazy eyes a única que sabia então curti. Two Door Cinema Club dancei muito, pulei, sai cansada e feliz. The Weekend considero headline, que show maravilhoso, animou a galera, teve os momentos mais sentimentais, um excelente músico. Pra mim a noite acabou ali. Strokes foi o bis da noite. Sim, podia ter sido mil vezes melhor, foi um show medíocre. Mas tirando os problemas técnicos e falta de empatia com o público. Quando eles tocavam eu ficava louca.

Eu amo ouvir as músicas que eu curto ao vivo, independente do desempenho da banda na hora de interagir com o público.

E além de tudo isso, o que mais me deixou muito feliz e é engraçado dizer, mas realizada, foi ver meus amigos felizes de ver as bandas preferidas deles ao vivo. Encantados. Eu já estava feliz por ser meu final de semana preferido, como eu disse, eu amo lolla por ser lolla, ver meus amigos felizes foi um plus.

 

Esse foi o meu festival, dá uma olhada no vídeo e deixa seu cometário sobre o que achou dele e se você foi, me conta seu!

No final de tudo isso a única coisa que eu ainda quero dizer é: falta muito pra chegar o lolla??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.